13 dezembro 2012

Aquele quase final feliz.

casal feliz

Aquela certeza meio incerta que te quero pra sempre aqui, mesmo que no sonho... mesmo que as vezes fuja do meu domínio. 
Sabendo que na verdade nada é eterno,mais que sonhar não é errado. 
Entendendo também que se fosse,desejaria a eternidade pro nosso quase amor. 
Me lembro ainda que no memento em que acreditei no pra sempre, te vi de longe querendo acreditar em algo, mesmo que fosse só em nós. Acreditamos. 
Voamos alto de mais, e a queda foi dura de mais. 
Sobrevivemos, e no final é isso que importa.
Continuamos andando por ai sorrindo, mesmo que com milhões de cicatrizes internas e imperceptíveis a olho nu ... Aquelas que só quem tem sabe. E a gente sabe. (Lorena Aguilar)

05 dezembro 2012

A moça.

menina sem rumo

Ela sonhava com coisas que não se podia sonhar, acreditou por anos em um amor que nunca existiu. 
Re-acreditou depois de anos, num sentimento morto. Ela se afogou em todas suas ilusões. 
Deixou pra trás tudo de bom que tinha conquistado até ali.
Acho que no fundo ela gostava de sofrer.
Moça boba nasceu no tempo errado. Quis romantismo em um mundo onde o que prevalece é a "sacanagem". Quis ser feliz pra sempre, mesmo sabendo que "sempre" é tempo de mais. 
Arriscava cada centímetro de suas novas conquistas por um só ideal. 
E depois fracassava. Esse era o roteiro, e o final do filme era sempre o mesmo. 
Ela que com sua grande inocência achou que podia mudar o moço, que ele não era assim, que talvez ele só estivesse confuso ou passando por uma fase complicada.
Percebeu da forma mais difícil que estava enganada.
Coitada da moça, não precisou nem que alguém a iludisse porque quando se tratava de ilusão ela era auto-suficiente.
Um dia ela acordou diferente, depois de muitos anos, entendeu que a felicidade que ela tanto buscava no moço não existia. Começou a reformular todos os conselhos que ouviu durante anos e que simplesmente ignorou. Fazer o que, certo eles errada mesmo era ela.
Depois de um surto particular, levantou-se da cama, escolheu a roupa mais bonita, se vestiu de amor próprio com uma pitada de orgulho e saiu. Saiu para batalha diária de re-encontrar o moço, o seu quase amor, o quase final feliz.
Oi, tudo bem? Era um "eu te amo" subentendido, mais dessa vez ela não disse.
Ela guardou seu amor numa caixinha, trancou e escondeu a chave. De lá ele só sai agora quando for pra uso próprio, ou quem sabe quando aparecer outro moço. 
Acho que o fim é assim mesmo, tão subentendido que por muitas vezes você nem percebe que antes da sua decisão de ir embora, o amor já havia saído de cena a muito tempo.
Pois bem, a moça sabe que ainda vai falar muitos "eu te amo" em vão.
Sabe que vai distribuir muito carinho sem receber nada em troca.
Mais sabe também, que um dia vai receber tudo de volta, em proporções tão grandes que o coração vai ficar calmo, a alma vai ficar branda e numa junção dos dois, ela vai ser muito feliz. 
Às vezes me pego pensando, sorte da moça que entendeu isso, sorte de quem conseguiu fugir do que te fazia mal.
Dia desses por acaso encontrei com a moça no meio da rua, ela me disse que sorte não tem nada a ver com isso, me contou que foi uma escolha e deixou comigo um conselho que eu jamais vou esquecer. 
Ela dizia que o tempo muda tudo e que nada é pra sempre, falou que um dia eu também vou acordar assim, que não tem segredo ou formula pra se esquecer um grande amor, o tempo simplesmente leva o que não serve e trás o que é pra ficar.
Ela escolheu ser feliz, e foi.  (Lorena Aguilar)

29 novembro 2012

As mil faces do "Amor" .


será que é amor?

Nunca acreditei nessa ladainha de que "o amor tudo suporta". Tão pouco acredito que as pessoas só dão valor quando perdem. Pra mim é tudo bla bla bla, quem dá valor não perde e ponto.
Quem ama não passa dos limites. Erra, porque também é humano, mais não abusa.
O resto é desculpa esfarrapada , é safadeza disfarçada de amor. 
E pra isso eu não tenho tempo, muito menos paciência.
Entendo que, para o mundo é mesmo mais fácil colocar a culpa no “amor” . 
Bem mais fácil do que simplesmente assumir que o ser humano as vezes é burro mesmo. 
Ai eu percebo que nasci no mundo errado, no tempo errado. Ou talvez a errada seja eu. 
Porque meu mundo gira em torno do que é verdadeiro, e eu me recuso a participar de toda essa palhaçada espalhada por ai.
Amor pra mim é respeito mutuo, é responsabilidade, paciência, companheirismo. Quem ama, ama no sol e de baixo de tempestade. Quem ama, ama de segunda a segunda, de janeiro a janeiro.
O resto é conto de fada. É só historia bonita. E eu prefiro me poupar...
Mais claro que foi por amor que ele pegou sua amiga, foi por amor também que ele te trocou por aquela gostosona na semana passada. E evidente que foi pelo mais lindo e puro sentimento que ele voltou agora que levou um pé na bunda da mesma.
Só de pensar que tem gente que se presta mesmo a esses papeis, que tem gente que acredita mesmo em certas coisas, me da preguiça, ou medo, ainda não descobri ao certo.
Mais eu sei que tem gente por ai, que topa a barra que é suportar o peso e a responsabilidade de amar sozinho. Tem gente que acredita mesmo que por amor cafajeste vira anjo.
Há ainda, quem acredite que não foi por safadeza que ele traiu na noite passada. E que com certeza ele mereceu todo seu perdão, porque quem ama perdoa.
Burra, Burra, Burra... Mil vezes idiota. Ta plantando merda, então não me venha querer colher flores. Solidão consentida, amor unilateral é o maximo que você vai absorver das suas crenças e dessa merda que você anda fazendo.
E se você ainda assim preferi continuar nessa, então foda-se. Só não me venha colocar a culpa da sua esquizofrenia no amor. E por favor, sem cara de piedade quando ele te deixar esperando pela milésima vez.
Porque desses tipos de pessoas nem dó eu tenho. Pra mim sofrimento consentido nunca mereceu dó, mereci tapa na cara, isso sim.
Sem mimimi, sem ilusões, sem conto de fada.
Quem quer fica, quem não quer vai embora. Simples assim. (Lorena Aguilar)

A gente se vê por ai.


casal brigado

‎- Aquela bendita frase que sempre mexeu comigo: "A gente se vê por ai" .
A gente ? Quando? Onde? Nunca. Nunca aconteceu. (Lorena Aguilar)

28 outubro 2012

Escolha x Consequência.



escolhaxconsequênciaTeria tomado de vez minha decisão. Não era pra ser, e eu afirma ter compreendido isso.
Depois de muito pedir, entendi que amor não se pede. Parti pra outra, inevitável.  
Algo estranhamente forte empurrava-me para essa felicidade distante, distante de você, de nos, do passado.
Decidi que era hora de começar a ser feliz, e fui.
Eu estava radiante, por um tempo pensei realmente estar apaixonada. Sabe como é né ? Começo é sempre bom, e ele tinha cheiro de coisa nova, era doce, há ele tinha um cheiro maravilhoso. Não tinha nada a ser esquecido e era tudo que eu precisava.
Nenhum passado tortuoso, ou coisa imperdoável. Nem ex historia, nem ex amor.
Era como entender de uma forma estranhamente natural, que sempre vão haver outras chances, outras pessoas e outros sentimentos.
Houve algo inexplicavelmente bom. Eu curti de mais, e ele afirmava estar curtindo tudo aquilo também. Entramos no barco juntos, e resolvemos remar juntos.
Eu que já não me lembrava de como era ter alguém para simplesmente me ajudar a remar. 
Pois bem agora era diferente, e só de pensar nisso eu já suspirava com alegria.
Tinha um braço tanto quanto forte pra me ajudar, tinha um braço disposto a mandar esse barco pra frente, e ir ate contra a maré se fosse preciso.
Ate ai tudo bem, era o começo de algo que novo, algo realmente bom.
Mais por ironia ou sacanagem do destino, você resolveu voltar, resolveu que estava disposto a remar comigo de novo. 
E eu sabia, que nesse barco só aviam dois lugares, e que a maré era muito forte. Sabia que precisaria mais do que coração nessa escolha, precisaria de um misto de emoção e razão...
Estremeci ao te ver querer remar também.
Eu pensei em abandonar o barco, para não ter que escolher.Mais ai seria eu quem morreria. 
Ficar sozinha nunca foi minha alternativa favorita.
 Eu só queria te colocar nesse barco e ao mesmo tempo te empurrar pra fora dele. Irônico não? Mas nossa historia é assim mesmo irônica por natureza.
 No fundo desejava que esse barco fosse maior. Para que nos três pudéssemos remar contra tudo e todos, seria bom e completamente impossível também.
Eu estava ciente de que se você entrasse esse outro alguém teria que se retirar, eu não sabia o que fazer e por vezes me senti mal com toda a situação, por mais que ninguém acreditasse. 
Sentia-me constrangida, e duplamente afetada. Os dois eram bonitos, e algo especial no novo me atraia muito, mais a historia mal acabada gritava ao meu ouvido desesperadamente por socorro para que eu não a deixasse morrer.
Eu sabia que você só estava de volta por perceber que já tinha alguém remendo ao meu lado, por ter observado que tinha alguém tomando o “seu lugar” e que já tínhamos ido muito mais longe do que onde você conseguiu chegar. Eu sabia que não era amor, era posse. Egoísmo talvez, você queria amaciar seu ego, se mostrar o tal. Mais veja só, eu que sempre tão tola, mesmo sabendo de tudo isso ainda queria você, sempre te quis e esse foi um fator altamente decisivo.
E foi assim que deixei a outra historia no meio do oceano,como já fiz inúmeras vezes, essa historia que por sua vez morreu se debatendo, morreu querendo muito viver.
Você subiu no barco com aquele mesmo sorriso de sempre, sorriso de vitorioso como se isso sempre tivesse sido um jogo pra você. 
Jurei que seria a ultima vez, jurei para mim, para você, para o mundo. Jurei que se você abandasse o barco eu seguiria, eu tiraria alguma força oculta para continuar remando. Jurei que se você desiste arrumaria um jeito de chegar à outra extremidade sozinha, e que dessa vez o faria sem olhar pra traz. Jurei te deixar morrer, nem que eu mesma tivesse que da um jeito nisso. Jurei, jurei ,jurei e continuo jurando ate hoje, nada mudou você continua com suas atitudes nada favoráveis ao meu amor, e eu por outro lado com meu coração machucado que sempre quis acreditar que ainda existisse alguma saída pra nos. Mais não existe... Mesmo depois de ter te salvado inúmeras vezes da maré alta, mesmo depois de ter te livrado do gosto amargo da solidão. Nada mudou, e eu sei que não mudara. Insistir na nossa historia é como suicídio, eu sempre trato de te salvar e me forço a morrer aos poucos todos os dias.
Um dia eu tomo coragem, um dia me faço de peixe, um dia quem abandona o barco sou eu. 
Mesmo que seja pra me afogar em outra historia que futuramente vou taxar como mal resolvida... mesmo que seja pra me afogar em mais ilusões. Vou  ter a certeza que no final vou morrer em busca da vida, e não continuar vivendo em busca da morte. (Lorena Aguilar)

14 outubro 2012

Paradoxos.


casal se beijando
Éramos os melhores amigos do mundo, a gente não se desgrudava sequer um minuto. Amizade bonita, historia boa de mais pra durar.
A gente se empolgou, por momentos esquecemos que eu era uma mocinha e você um homem. Fantasiamos toda aquela historia de melhores amigos, irmãos. Todo mundo sempre soube o que viria depois disso, a gente nunca se importou com o depois.
Em meio a tantas decepções decidimos nos dar uma chance. E veja só, o que parecia a melhor solução, acabou com  tudo.
Passamos de melhores amigos a desconhecidos, como num passe de mágica.
Eu a mulher da sua vida, você o cara que eu sempre esperei. Nos, decepção, fim de jogo, fim de papo, fim de historia. Entramos pra "lista" de quem não valeu pena, de quem mentiu e magoou.
O amor traz consigo essas coisas, e o desamor também. Era a lição que mais pra frente aprenderíamos.
O fardo do amor é pesado de mais. Perdoar certas coisas é difícil, e esquecer é quase impossível.
Uma vez eu te disse que éramos só duas estradas se cruzando ao acaso, você sorriu e disse que fazíamos parte da mesma estrada. Por quanto tempo acreditamos nisso? Por quanto tempo conseguimos ver o amor?
Eu mudei, e você também. Mais as pessoas mudam, não é. A gente não se aguentou pensa só. Descobrimos da pior forma que éramos peças de um quebra cabeça completamente desproporcional. Eu pequena, você grande de mais. Não conseguimos nos encaixar na vida um do outro. Você me sobrava nas mesmas proporções em que eu te faltava. 
Mudamos, foi só o que eu consegui dizer.
Nos sempre desejamos um ao outro, mais desejávamos o mundo também. E desejo por desejo acabamos sozinhos. Não abrimos mão do resto pra sermos o tão sonhado “nos”.
Eu queria você, sempre quis. Mais o mundo era colorido de mais. A vida é pequena de mais e eu era menor ainda. Me perdi, de você, de mim, de nos. 
Solução? O fim.
Nossas impossibilidades nos levaram a desistir. Por motivos que eu desconheço você me amou, e eu te amei. Mesmo sendo pessoas tão diferentes, conseguimos viver momentos inesquecíveis juntos.
Às vezes eu sinto que o "nos" existiu sim, de uma forma que eu talvez nunca consiga explicar,ainda existe. Mesmo que a gente não se fale, não se veja. Mesmo que você suma, que morra. Vou seguir te amando, porque sei lá, amor não tem explicação, só nasce, cresce, fica... e mesmo que eu não queira vai ficar.
Eu quero te ver bem, e me ver bem também. Não quero você pra mim, não sou tão egoísta.
Nos nunca soubemos ser um, formado de dois, não tivemos vocação para ser um casal.
Eu sei ser eu, e você só sabe ser você. Mais quero te ver bem, repito, quero um dia poder te encontrar por ai, conversar e ate sorrir. Quem sabe te contar das minhas metas e conquistas. Quero continuar me orgulhando de você, como sempre me orgulhei.
A gente foi o mais perto do amor que eu consegui chegar. Mas não conseguimos seguir a mesma estrada, optamos por lados opostos.
Se ainda me restasse escolha voltaria para seu lado, mais não posso, não dá.
Amostra grátis de amor, foi bem isso. Qualidade indiscutível, produto inigualável, mais foi pequeno, foi amostra, acabou.
Sem desespero, sem medo, sem “fim”. Desejo o melhor pra você e pra mim. (Lorena Aguilar)

12 outubro 2012

To indo nessa.


menina indo embora


Quando a gente ta muito feliz, não consegue enxergar quase nada.
Hoje eu vejo quão cegos fomos. Ate o destino conspirava pra que isso não durasse tanto, para que no fim não doesse tanto. E nos que sempre tão incrédulos do destino, ignorávamos todos os sinas e continuávamos, seguíamos rumo a nada.
O nosso "amor" sempre falou mais alto. No nosso caso sempre gritou. Nunca nos deixou pensar, veio mesmo foi para nos enlouquecer.
Paixão, o nome disso é paixão, eu gritei eufórica naquela tarde.
Ta longe de ser amor. Mero costume, carinho talvez, ou no fim pode não ser absolutamente nada.
Você passou horas teorizando seu ponto de vista, e reafirmando a tese de que era o amor mais bonito do mundo. Mais no fundo sempre soubemos que não. E continuarmos cegos poderia ate ser mais propicio, mais não seria a atitude mais inteligente.
Amor que é amor não cabe em teorias, e se fosse amor eu ficaria.
Lagrimas escorrendo em ambos os rostos. Típico de finais não tão felizes, ou despedidas inesperadas.
O silencio tomou conta da sala, e antes que pudéssemos nos arrepender eu conclui:
Isso é DESAMOR, ou desilusão quem sabe.
E para esses crimes sempre haverá uma absolvição.
A gente se abraçou se beijou e finalmente se soltou. Se soltou porque tanto o amor, quanto o desamor não prendem, pelo contrario LIBERTAM.
Amor que é amor permanece. E eu, to indo nessa. (Lorena Aguilar)

27 setembro 2012

A melhor parte de mim.

amigo
Ele me entende, às vezes até mais que eu mesma. Ele atura meus ciúmes, minhas crises, minhas loucuras e principalmente meu drama. Eu posso colocar meu maior salto e meu vestido mais bonito, ou posso estar de chinelo e roupa de dormir, a única coisa que ele vai olhar é a minha bunda. (me perdoa por expor isso, risos). A gente se entende por um único olhar. Ele implica com minha vida pessoal e eu, sequer o deixo ter uma. A gente entra em cada furada que ate Deus duvida. Eu sempre o salvo dos rolos, e ele sempre me da uma força com os meus. Um dos meus escritores favoritos já dizia: "Num deserto de almas também desertas, uma alma especial reconhece de imediato a outra." E foi mais ou menos isso, a gente se reconheceu logo de cara, se amou de primeira, e nunca mais se largou. Um dia desses me perguntaram do que eu tinha mais medo, eu me perdi em pensamentos e minutos depois eu respondi: de mais nada. Eu já tive medo de morrer sem descobrir se esse tal amor existia, sem nunca ter sentido essa coisa sublime que todos veneram tanto. Mas passou sabe, passou quando eu te conheci. Passou porque se isso não é amor, é algo bem maior e mais bonito. Sempre quis ter um sentimento recíproco por alguém, estive por muito tempo, cansada de amar sozinha, amar errado. E então você apareceu. E além de me fazer acreditar no amor, me fez acreditar em anjos e em mais uma infinidade de coisas que sozinha eu jamais acreditaria. Eu sempre quis alguém que ficasse, e você ficou. Alojou-se aqui no coração, e não quis sair. Olha que legal, eu que sempre quis fazer tanta gente permanecer contra vontade própria, me deparo com você querendo ficar, dizendo que esse lugar é seu por direito, e que não sai nem se eu quiser. A vida tem mesmo dessas coisas de pregar peças na gente. Você apareceu e eu voltei a sorrir, foi o único que me fez enxergar amor em meio à guerra. Hoje eu entendo porque tantas vezes eu fiquei sem entender nada, porque tantas vezes eu me senti metade.Você me tirou da guerra e me mostrou a paz, me mostrou o amor. Quis ficar, quis cuidar. Deu-me colo, carinho, atenção. Deu-me tudo que eu precisava e ate o que eu não precisava.
Eu tenho pena de quem não acredita em amizade entre homem e mulher. Pra mim amizade é amizade, independente de gênero. Tenho raiva de quem diminui um sentimento tão grande quanto esse.
Eu nunca vou saber como te agradecer por tudo isso. Eu tento todos os dias, das melhores formas, te agradecer por todo esse carinho. Mas nada é tão grandioso quanto o que você fez por mim. Muito obrigado meu amigo, meu irmão, meu amor, meu TUDO.   (Lorena Aguilar)

16 setembro 2012

Entrelinhas.

casal beijando
Depois daquela noite nós nunca mais falamos de sentimentos abertamente. Pois é, muita coisa que poderia ter sido verbalizada não foi. Até hoje não sei se fui eu quem desistiu de falar ou você que desistiu de ouvir. De certa forma sinto que sua frieza me afetou um pouco. Enfim, os dias foram passando, se transformando em semanas, meses... E quando dei por mim já fazia um ano ou mais. A historia bonita seria exatamente essa: (Então a gente nunca mais se falou. Encaramos o fim como adultos que somos. Sem qualquer recaída ou arrependimento... Um dia eu o vi na rua, sentia que era o acaso trabalhando para que eu pudesse refletir sobre todos esses meses sem vê-lo. Eu sorri, e o cumprimentei. Abraçamo-nos durante um minuto ou mais... Parece pouco, mas foi o suficiente para que nós percebêssemos como fizemos as escolhas certas. Trocamos algumas palavras, frases curtas e quase automáticas. Não queríamos muitos detalhes sobre a vida um do outro. Eu tentei ser menos invasiva possível. Depois de perguntas e respostas previsíveis, você soltou algo meio previsível também.

_Tenho que ir, eu estou meio atrasado para um compromisso.
Eu suspirei aliviada por não ter que prosseguir com aquela conversa monótona e tanto quanto desagradável. Abraçamo-nos novamente e enfim soltei aquela típica frase de fim de encontro:

_ Bom te ver. Você categórico como sempre disse o mesmo.
Enfim a sessão passada acabou. Cada um voltou pro seu carro, pra sua casa, pra sua vida. Você que estava lindo como sempre, mas não tão sedutor, voltava para casa apressadamente para se arrumar para um compromisso sério. Logo após iria se encontrar com sua parceira pelo qual se orgulhava tanto de ter conhecido... Aquela que esteve te fazendo muito feliz nos últimos meses. Aquela pelo qual você esperou a vida toda, a sua escolhida. Do outro lado EU, aquela mesma moleca de sempre, correndo atrás dos meus sonhos, ampliando minha rede de amigos e conquistas, curtindo a vida. Ou somente vivendo-a sem pensar no futuro.
Ótimos roteiros, tudo seria exatamente como sonhamos. Esse final justificaria e fortaleceria o fato de não estarmos juntos. (Tínhamos visões diferentes, expectativas de vida diferentes, e cada um teria seguido a que mais lhe agradava.)

Agora vamos com a verdadeira historia: Já havia de fato, se passado um ano ou mais.
E não digo que os dias, as semanas, os meses e consecutivamente o ano teriam passado tão rápido assim. Foi triste, desgastante, me aterrorizou e me reprimiu... E essa historia de "Sem recaídas e Arrependimentos" não aconteceu também. Muito pelo contrario. Recaídas e arrependimentos ainda são constantes.
O fato de não falarmos mais de sentimentos não tem nada a ver com o fato deles não existirem mais, tem mais a ver com o fato deles estarem tão desgastados que é triste e tanto quanto desgostoso ficarmos relembrando como eram bons. Outra coisa que obviamente não aconteceu foi a falta de contato. Viramos a “isca” um do outro, o que talvez justificasse o fato de até hoje não termos conseguido nada que tínhamos em mente quando tivemos a brilhante ideia de que não daria certo do jeito que estava.
Um dos detalhes que me surpreendeu bastante é que sim, cada um de nos resolveu tentar justificar o porquê de não estarmos juntos. Você que se afogou em romances inúteis, previsíveis e totalmente sem futuro.
Eu por outro lado me afoguei em várias noitadas, abusei dos Drink's e quis de alguma forma fazer valer tudo que estava acontecendo.
Nos também não esperamos o destino nos colocar frente a frente, não refletimos, não justificamos os nossos motivos para termos desistido. Não fomos corajosos o suficiente pra cortar o "mal" pela raiz.
E para decepção dos leitores, termina justamente assim: Não tivemos verdadeiramente um fim. Temos sim, um FIM forjado, daqueles que a gente chega a ele pra mudar a rotina, pra mudar o roteiro. Agora um The End de verdade? Ah isso não foi feito pra gente.
Nossa vírgula que teria se tornado um ponto final, que mais adiante foram se acumulando tantos pontos finais que se tornaram reticências, eternas reticências... Eu sei, também fiquei frustrada, eu queria uma história bonita. Eu queria uma história adulta. Uma daquelas que a gente consegue se orgulhar ao contar. Uma daquelas que justificaria e fortaleceria nossas escolhas pelo simples fato de perceber que fizemos as escolhas certas. Mas não, nosso caso é diferente. Nos não nascemos pra fazer uma historia bonita. Nos não nascemos pra seguir o roteiro. Nos não nascemos pra ter um fim adulto, um fim digno.
Nos simplesmente não nascemos pra ter um FIM. (Lorena Aguilar)

13 setembro 2012

Bagunça.



quarto bagunçado
Lá estamos nós de novo, no meio da bagunça que você causou mais uma vez.
É sempre assim, você me pega, me tem, me ama e fatalmente me deixa.
E eu não aprendo, não aprendo nunca.
Sempre digo que isso não vai mais se repetir, que eu vou me organizar e que dessa vez quando você voltar vai se sentir deslocado. Digo e repito pra mim mesmo durante sua partida que da próxima vez eu tranco tudo, coloco cadeado com chave ou senha. Você não entra nem se implorar, pode bater e ate tentar derrubar a porta, não adianta ta fechada, ta trancada e blindada.
Quem me dera. Nunca é assim. Sua visita quinzenal mexe comigo.
Pois é. De quinze em quinze dias você reapareci misteriosamente. E ao contrário dos meus sonhos, a porta esta sempre aberta e ainda tem um tapete na estrada escrito, SEJA BEM VINDO e um no meu quarto VOLTE SEMPRE.
E você categoricamente sempre volta. E é sempre uma ótima recepção chazinho, carinho e amor. Nem sempre nessa ordem.
E então você diz que me AMA. Fatal, conseguiu de novo. Como num CIRCULO ou num CIRCO onde a palhaça em questão sou sempre eu.
Rendo-me, você me tem de novo, me entrego de corpo e alma.
E você que só esta interessado no corpo leva a alma de brinde.
Mais uma vez repete que me ama muito, que se importa e que me magoar esta longe das suas intenções. Teoria linda mais a pratica é sempre outra.
Meia noite você pega suas coisa e vai embora.
_Ta tarde, amanha trabalho cedo. E tem aquela menina lá também né? Você sabe. Ela mexe muito comigo.
Pronto, ai esta meu mundinho desmoronando de novo. 
Aqui estou eu outra vez indo pro banho, esfregando minhas costas o mais forte que eu consigo, querendo tirar qualquer rastro que me prove que mais uma vez você conseguiu o que queria. Querendo eliminar qualquer cheiro seu que ocasionalmente tenha ficado em mim. No meio do banho onde os sentimentos oscilam entre saudades e raiva, eu choro. 
Choro porque é a única coisa que me alivia.
Eu ali sozinha, debaixo do mesmo chuveiro em que você disse que me amava. Ate que trinta ou quarenta minutos depois você vai embora, muda de ideia. 
Porque não dá pra ter certeza se é isso que você realmente quer. 
Porque você nunca tem certeza do que quer. 
Porque na verdade você quer mesmo curtir a vida e eu não passo de mais uma dessas curtições.
Porque tem outra pessoa ou porque seu horóscopo disse que você não ta numa boa fase para se envolver emocionalmente. Por um motivo ou por outro você sempre tem que ir. E sempre vai. 
O problema é que sempre volta. E eu que sempre te quis como chefe do meu coração, que sempre te dei todos os motivos para ficar, fico aqui sozinha de novo. Ate que você resolva reaparecer. Porque infelizmente eu entrei no seu jogo e não consigo sair. (Lorena Aguilar )

08 setembro 2012

Nada é eterno.

eternidade
- O problema é esse vicio que a gente tem em ETERNIDADE. 
As pessoas ficam cegas, sofrem, criam raiva, se desesperam e acabam estragando tudo que foi bonito um dia por simplesmente achar que deveria ter sido eterno.
O que na verdade não é nossa culpa , porque crescemos ouvindo historinhas com o dramático final "e foram felizes para sempre". Alguns anos depois a gente se apega a escritores ultra românticos, que dizem que os sentimentos verdadeiros são eternos. Depois vem os filmes né ? Daquele casal cujo o destino foi traçado na maternidade. Das novelas não gosto nem de falar.
Mais a verdade é que os livros,contos de fadas,novelas e filmes também tem uma duração, vão variar de 2 horas e meia a umas 250 paginas talvez.
Mais e depois? Depois queridos, TUDO acaba.
Sabe o casal do filme? Pois é, eles vão fazer outro filme, muito provavelmente separados.
A escritora vai fazer outro livro, e aquela novela desde o primeiro capitulo já tem uma outra pra substitui-la. Então sem mais ilusões.
Crescida por fora e por dentro, concluo que a felicidade é agora.
Sejamos felizes a cada momento. Que a gente saiba aproveitar cada fase, pois todo "oi" mais cedo ou mais tarde vem acompanhado de um "adeus".
As pessoas mudam, os sentimentos mudam .
Nada é eterno, repito, nada é eterno, nem se quer nos mesmos. ( Lorena Aguilar )

O Troféu.

dados
- Eu nunca fui de querer nada porque todo mundo quer, ou todo mundo tem.
Acho que foi assim que acabei desistindo de ter muita gente presente na minha vida.
Essa coisa de "joguinhos" nunca me atraiu, disputar atenção é uma coisa que me cansa rápido,me enjoa sabe?
Na minha opinião, a partir do momento que você precisa disputar carinho,atenção ou afeto de alguém é um sinal de alerta.
Na maioria das vezes você pode estar dando atenção exagerada para alguém que não mereci, e muito provavelmente a pessoa vai estar cagando pra você.
Pra mim quem quer ficar fica, e quem não quer não quer que se dane.
E tem aquilo também né, corre o serio risco de você entrar numa dessas disputinhas inúteis ganhar o "prêmio" e ter o desgosto de ver que aquilo que te parecia extremamente especial ou importante não passa de mais prêmio. E dessa vez no sentido real da palavra.
Tipo daquelas medalhas que você ganha em uma competição só pra mostrar o quão foda você é, mais depois deixa ela la perdida em qualquer lugar no chão do seu quarto, ate que um belo dia você vai organizar a bagunça do quarto e jogar as coisas velhas fora, e adivinha?
La se vai seu premio tão batalhado, junto com as coisas que não te servem mais.
Agora me diga é ou não perca de tempo?
Não estou dizendo que eu seja do tipo de pessoa que não corre atras do que quer, aquele tipo que desiste fácil, não é isso.
Mais acho que certos tipos de sentimentos não são passiveis de disputas, assim como certos tipos de amores só existem nas nossas cabeças e certos tipos de amizade só são bonitas e eternas na teoria.
Então não espere me ver por ai lutando por sentimentos não recíprocos e "prêmios" sem o menor valor. Você vai se decepcionar ao me ver aqui na plateia, assistindo tudo e dando boas gargalhadas.
Porque nesses seus joguinhos meu bem eu não entro nem se for pra ganhar. ( Lorena Aguilar )

04 setembro 2012

As pequenas coisas.

smile
Com o tempo passei a entender que ser feliz na verdade, não é ter tudo que se deseja, e sim dar valor a tudo que se tem... É pedir menos e agradecer mais.
Parei para observar cada coisa pequena que acontece o tempo todo, coisas realmente boas, gestos sinceros, expressões bobas, que muitas vezes me arrancam sorrisos nas horas de desespero.
Mais que tenho deixado passar porque de tão “pequenas” (o que na verdade nunca é quando se trata disso) perdem a força em meio às coisas grandes que os ventos contrários têm trazido.
Percebi então que na verdade não é que não acontecessem coisas boas, é que sempre me deixo abalar muito mais com as coisas ruins. Tenho deixado a maldade passar por cima da bondade (o tempo todo)... Uma única noticia ruim ou uma coisa errada acaba com um dia perfeito.
Tenho perdido meus grandes momentos de felicidade, exatamente por não me entregar de corpo e alma a eles. Por estar sempre concentrada em tudo que não sai bem, ou da forma que eu desejava.
Percebi que tenho deixado a vida passar, e tenho passando com ela, mais não estou vivendo, não estou me entregando por completo... Qual o sentido em exigir muito e aproveitar pouco?!
Que fique claro que entender e Assumir qualquer fato, não significa se orgulhar dele.
Não me orgulho por não ser feliz e por deixar a vida passar sem tirar o Maximo de proveito dela.
Mais nunca é tarde para concertar algumas coisas certo?
Então resolvi consertar meu relacionamento com Deus, meu relacionamento com essa dadiva que se chama VIDA.
Pelo esforço de quem quer me ver bem... E ate mesmo pelo esforço de tantas pessoas que anseiam pelo meu mal...
Vou deixar o amor falar mais alto,a bondade gritar e a felicidade entrar.
Porque hoje eu sei que ser feliz não é uma questão de sorte,
é uma questão de escolha e vontade.
De hoje em diante ignorar o que me faz mal e multiplicar o que me faz bem...
Que assim seja, AMEM ... 
-Lorena Aguilar

18 julho 2012

I'm Sorry.



Eu sinto muito.
Sinto muito, por não conseguir sentir absolutamente nada.
Por estar deixando as lembranças passarem com o tempo. Sinto por estar diminuindo tudo dentro de mim. Por não conseguir controlar isso.
Eu tentei, tentei com todas as forças que eu pude. Mais chega uma hora que não da mais pra se prender no que passou, uma hora que é “matar ou morrer”. Eu escolhi matar.
Não me leve a mal, falando assim eu sei que pareci um pouco triste e covarde. Mais eu ainda sou uma criança e você sabe. Eu não cresci se quer 50% do que eu preciso, para me tornar “o alguém” que você precisa.
Ver-te sempre com essa pose de “pai” me fez sentir ainda menor todo esse tempo.
Eu sabia que ali de baixo dos seus braços ou deitada no seu colo eu me sentiria melhor, e mais segura.
E eu me senti durante todo esse tempo, e te agradeço por isso também.
Por me manter quietinha e segura, porque era o que eu precisava naquele momento.
Mais agora eu preciso correr riscos de verdade. Preciso apostar em alguns sentimentos, deixar de ser sua menina pra quem sabe ser a mulher de alguém. Preciso deixar alguém me ferir, eu sei que pareci automutilação mais não é. Eu descobri que a dor traz aprendizados que a felicidade jamais traria.
E é exatamente disso que eu preciso. Preciso aprender, e não é pouco.
Preciso entender que se eu cair vou ter que me levantar sozinha, perceber que nem todo mundo é tão bom quanto você, nem todo mundo vai me perdoar e me entender como você sempre fez.
Eu conheci o lado bom da vida, e agora preciso conhecer o outro lado que pareci não ser tão bom assim. Não que eu queira, eu não quero, ninguém quer apostar em coisas que não conheci.
Ninguém quer sofrer ou ter desilusões, mais hoje eu sei que todo mundo precisa disso.
Assumo também que desde quando decidi que teria de ser assim, me pego pensando em tudo.
Com um medo enorme de ariscar. Tenho muita vontade de voltar correndo pros seus braços e chorar no teu colo, sei que se o fizesse você me acolheria e me entenderia. Ou na pior das hipóteses fingira entender.
Mais me aceitaria ali, naquele meu momento de total desespero, com medo da vida, medo de tudo que eu julgo precisar pra ser mais forte. Me aceitaria porque assim como eu, você também passou por esses momentos, e mesmo minúscula aos olhos do mundo, me tornei grande o suficiente pra te aceitar também.
Concluo então, que vou seguir mesmo com uma vontade enorme de ficar. Vou viver a vida, aprender a ser sozinha. 
Vou ter momentos desesperadores e vou saber o que fazer, vou aprender a tomar minhas próprias decisões.
Vou magoar muita gente e vou ser muito magoada, aprender que quase tudo passa e aceitar que as lembranças boas perduram. Vou me testar dia após dia para não me render as vontades súbitas de querer voltar no tempo.
Assim mesmo, bem desse jeito desorientado, como se fosse uma batalha diária com minha própria pessoa, porque eu sei que não é isso que eu quero. Mais é exatamente disso que eu preciso. (Lorena Aguilar )

Amor não mata.



- E se eu disser que não quero mais te ver, te ouvir, ou qualquer coisa do tipo ?
Coisas que agente diz quando ta triste de mais pra perceber o que é melhor pra gente.
E se eu te pedisse pra me esquecer.Da mesma forma que você já pediu tantas e tantas vezes.
Seria fácil pra você cumprir com meu desejo?
Ok. Não precisa nem responder, já sei onde isso vai chegar.
A verdade é, que eu poderia sim dizer tudo isso, poderia te testar, me testar.
Ver como é do "seu lado".
O lado de quem não quer, o lado que eu considero o mais fácil.
O lado que pelo fato de não conhecer não sei se dói, não sei se é triste, não sei se é bom, não sei absolutamente nada.
Porque eu não conheço o lado de quem parte o coração, eu só conheço o lado do coração partido. 
Eu sei que partir o coração de alguém, não deve ser la uma tarefa muito fácil. Exige esforços sobre humanos, e explicações que por mais patéticas que sejam devem ser dadas. Porque é assim, porque a gente é assim. Não consegui ouvir um "eu não quero mais" sem todos os motivos que levaram a essa frase.
"Não é você sou eu”, "Eu gosto de você mais preciso de um tempo”, "Eu te amo mais não da mais" .
Na verdade não é nada disso e a gente sabe.
Mais como chegar em alguém e apenas dizer, sim é você, e sou eu também sabe?
Mais você principalmente, é de você que eu não gosto mais, que eu não sinto mas vontade de estar perto e por um motivo ou outro, minhas possíveis desculpas agravariam mais esses fatos.
Seria simples se não foi tão complicado.
A vida é assim, ta ruim hoje, amanha melhora e depois passa.
Ai você me pergunta, e se não passar, o que agente faz?
E infelizmente eu só tenho uma resposta pra isso. Não fazemos nada, porque não a nada a ser feito. Qualquer coisa que você venha a dizer ou fazer pode agravar a situação umas mil vezes, então não faça nada. Se não passar hoje, espere um mês, se não em um mês espere um ano, e se não passar um ano.
Você continua vivendo e fingindo estar bem, porque no fundo é isso que a gente faz o tempo todo.
Fingimos estar bem, porque estar bem todos os dias é quase impossível.
E se essa dor não passar mesmo, de jeito nenhum, você vai envelhecer e descobri que é mais forte do que pensava.
Porque mesmo com o coração partido todos esses anos, você continuou de pé.
Você vai morrer claro, todo mundo morre. Mais não por amor, amor não mata.
Então fique tranqüilo, fique bem, fique vivo. (Lorena Aguilar)

Ressaca de amor.

casal de namorados
Assim como acontece com os grandes porres, o fim de um grande amor, trás consigo uma grande ressaca.
Refazer-se sozinho, depois de um longo tempo andando junto pode dar uma imensa dor de cabeça.
Mas, vale lembrar que: toda ressaca passa. 
E você jura que nunca mais vai beber assim, ou amar assim. Ate que em um belo fim de noite, você se vê cansado da rotina, do trabalho, do seu chefe, ou do que for. E resolve dar uma passada rápida no bar.
A principio vai tomar apenas uma garrafa, só pra aliviar o stress da semana, que foi corrida e exaustiva.  
Mas quando finalmente cai em si, já é madrugada, e você se vê completamente bêbado em um boteco qualquer, ou com as pernas completamente entrelaçadas nas daquela mulher.
Mulher essa, que a principio era só um lance bobo sem a menor importância. Mas, assim como com a bebida você nem percebeu quando passou da conta e caiu de cabeça nisso de novo. E quando enfim percebe, já não se importa mais. 
Nesse momento meu caro, você se esquece completamente das consequências dessas duas drogas.
Afinal, a única semelhança de um porre daqueles e uma mulher daquelas é do que a dor de cabeça que elas trazem consigo.

E quando tudo fatalmente acaba, você repete que nunca mais amar ou beber de novo.
Mas, no fim, seja qual for à situação, a gente percebe que não a como fugir, é instintivo. 
Amor, porre, ressaca.


Esse é o processo. A gente se nega, mas no fim, a gente se entrega. (Lorena Aguilar)

AddThis