18 julho 2012

Ressaca de amor.

casal de namorados
Assim como acontece com os grandes porres, o fim de um grande amor, trás consigo uma grande ressaca.
Refazer-se sozinho, depois de um longo tempo andando junto pode dar uma imensa dor de cabeça.
Mas, vale lembrar que: toda ressaca passa. 
E você jura que nunca mais vai beber assim, ou amar assim. Ate que em um belo fim de noite, você se vê cansado da rotina, do trabalho, do seu chefe, ou do que for. E resolve dar uma passada rápida no bar.
A principio vai tomar apenas uma garrafa, só pra aliviar o stress da semana, que foi corrida e exaustiva.  
Mas quando finalmente cai em si, já é madrugada, e você se vê completamente bêbado em um boteco qualquer, ou com as pernas completamente entrelaçadas nas daquela mulher.
Mulher essa, que a principio era só um lance bobo sem a menor importância. Mas, assim como com a bebida você nem percebeu quando passou da conta e caiu de cabeça nisso de novo. E quando enfim percebe, já não se importa mais. 
Nesse momento meu caro, você se esquece completamente das consequências dessas duas drogas.
Afinal, a única semelhança de um porre daqueles e uma mulher daquelas é do que a dor de cabeça que elas trazem consigo.

E quando tudo fatalmente acaba, você repete que nunca mais amar ou beber de novo.
Mas, no fim, seja qual for à situação, a gente percebe que não a como fugir, é instintivo. 
Amor, porre, ressaca.


Esse é o processo. A gente se nega, mas no fim, a gente se entrega. (Lorena Aguilar)

4 comentários:

  1. um dos meus preferidos *-*

    ResponderExcluir
  2. Adorei seu texto! De fato, um amor/ressaca é o que é mais comum termos e vermos por aí, mas não conseguiria me contentar com isso, não aceito que o amor seja apenas mais uma fuga da realidade, passageira, efêmera, que nos priva de viver conscientemente e dói quando caímos em si. Não posso, em sã consciência, acreditar que estou condenado a reviver esse processo infinitas vezes, como um vício que me esgota. Me proponho um amor concreto, real, e isso só vem com crescimento e amadurecimento. Amor mesmo não é ilusão, não distorce a realidade, como a bebida o faz. Amar é o ápice da lucidez, é quando enxergamos o mundo com a toda a luz que há nele. Não tem ressaca. Mesmo quando acaba, deixa uma leveza e um espaço para mais amar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada. Apesar da colocação do texto, tambem concordo com você!
      Amar é o ápice da lucidez, é quando enxergamos o mundo com a toda a luz que há nele. Não tem ressaca. Mesmo quando acaba, deixa uma leveza e um espaço para mais amar.

      Excluir

AddThis