28 outubro 2012

Escolha x Consequência.



escolhaxconsequênciaTeria tomado de vez minha decisão. Não era pra ser, e eu afirma ter compreendido isso.
Depois de muito pedir, entendi que amor não se pede. Parti pra outra, inevitável.  
Algo estranhamente forte empurrava-me para essa felicidade distante, distante de você, de nos, do passado.
Decidi que era hora de começar a ser feliz, e fui.
Eu estava radiante, por um tempo pensei realmente estar apaixonada. Sabe como é né ? Começo é sempre bom, e ele tinha cheiro de coisa nova, era doce, há ele tinha um cheiro maravilhoso. Não tinha nada a ser esquecido e era tudo que eu precisava.
Nenhum passado tortuoso, ou coisa imperdoável. Nem ex historia, nem ex amor.
Era como entender de uma forma estranhamente natural, que sempre vão haver outras chances, outras pessoas e outros sentimentos.
Houve algo inexplicavelmente bom. Eu curti de mais, e ele afirmava estar curtindo tudo aquilo também. Entramos no barco juntos, e resolvemos remar juntos.
Eu que já não me lembrava de como era ter alguém para simplesmente me ajudar a remar. 
Pois bem agora era diferente, e só de pensar nisso eu já suspirava com alegria.
Tinha um braço tanto quanto forte pra me ajudar, tinha um braço disposto a mandar esse barco pra frente, e ir ate contra a maré se fosse preciso.
Ate ai tudo bem, era o começo de algo que novo, algo realmente bom.
Mais por ironia ou sacanagem do destino, você resolveu voltar, resolveu que estava disposto a remar comigo de novo. 
E eu sabia, que nesse barco só aviam dois lugares, e que a maré era muito forte. Sabia que precisaria mais do que coração nessa escolha, precisaria de um misto de emoção e razão...
Estremeci ao te ver querer remar também.
Eu pensei em abandonar o barco, para não ter que escolher.Mais ai seria eu quem morreria. 
Ficar sozinha nunca foi minha alternativa favorita.
 Eu só queria te colocar nesse barco e ao mesmo tempo te empurrar pra fora dele. Irônico não? Mas nossa historia é assim mesmo irônica por natureza.
 No fundo desejava que esse barco fosse maior. Para que nos três pudéssemos remar contra tudo e todos, seria bom e completamente impossível também.
Eu estava ciente de que se você entrasse esse outro alguém teria que se retirar, eu não sabia o que fazer e por vezes me senti mal com toda a situação, por mais que ninguém acreditasse. 
Sentia-me constrangida, e duplamente afetada. Os dois eram bonitos, e algo especial no novo me atraia muito, mais a historia mal acabada gritava ao meu ouvido desesperadamente por socorro para que eu não a deixasse morrer.
Eu sabia que você só estava de volta por perceber que já tinha alguém remendo ao meu lado, por ter observado que tinha alguém tomando o “seu lugar” e que já tínhamos ido muito mais longe do que onde você conseguiu chegar. Eu sabia que não era amor, era posse. Egoísmo talvez, você queria amaciar seu ego, se mostrar o tal. Mais veja só, eu que sempre tão tola, mesmo sabendo de tudo isso ainda queria você, sempre te quis e esse foi um fator altamente decisivo.
E foi assim que deixei a outra historia no meio do oceano,como já fiz inúmeras vezes, essa historia que por sua vez morreu se debatendo, morreu querendo muito viver.
Você subiu no barco com aquele mesmo sorriso de sempre, sorriso de vitorioso como se isso sempre tivesse sido um jogo pra você. 
Jurei que seria a ultima vez, jurei para mim, para você, para o mundo. Jurei que se você abandasse o barco eu seguiria, eu tiraria alguma força oculta para continuar remando. Jurei que se você desiste arrumaria um jeito de chegar à outra extremidade sozinha, e que dessa vez o faria sem olhar pra traz. Jurei te deixar morrer, nem que eu mesma tivesse que da um jeito nisso. Jurei, jurei ,jurei e continuo jurando ate hoje, nada mudou você continua com suas atitudes nada favoráveis ao meu amor, e eu por outro lado com meu coração machucado que sempre quis acreditar que ainda existisse alguma saída pra nos. Mais não existe... Mesmo depois de ter te salvado inúmeras vezes da maré alta, mesmo depois de ter te livrado do gosto amargo da solidão. Nada mudou, e eu sei que não mudara. Insistir na nossa historia é como suicídio, eu sempre trato de te salvar e me forço a morrer aos poucos todos os dias.
Um dia eu tomo coragem, um dia me faço de peixe, um dia quem abandona o barco sou eu. 
Mesmo que seja pra me afogar em outra historia que futuramente vou taxar como mal resolvida... mesmo que seja pra me afogar em mais ilusões. Vou  ter a certeza que no final vou morrer em busca da vida, e não continuar vivendo em busca da morte. (Lorena Aguilar)

14 outubro 2012

Paradoxos.


casal se beijando
Éramos os melhores amigos do mundo, a gente não se desgrudava sequer um minuto. Amizade bonita, historia boa de mais pra durar.
A gente se empolgou, por momentos esquecemos que eu era uma mocinha e você um homem. Fantasiamos toda aquela historia de melhores amigos, irmãos. Todo mundo sempre soube o que viria depois disso, a gente nunca se importou com o depois.
Em meio a tantas decepções decidimos nos dar uma chance. E veja só, o que parecia a melhor solução, acabou com  tudo.
Passamos de melhores amigos a desconhecidos, como num passe de mágica.
Eu a mulher da sua vida, você o cara que eu sempre esperei. Nos, decepção, fim de jogo, fim de papo, fim de historia. Entramos pra "lista" de quem não valeu pena, de quem mentiu e magoou.
O amor traz consigo essas coisas, e o desamor também. Era a lição que mais pra frente aprenderíamos.
O fardo do amor é pesado de mais. Perdoar certas coisas é difícil, e esquecer é quase impossível.
Uma vez eu te disse que éramos só duas estradas se cruzando ao acaso, você sorriu e disse que fazíamos parte da mesma estrada. Por quanto tempo acreditamos nisso? Por quanto tempo conseguimos ver o amor?
Eu mudei, e você também. Mais as pessoas mudam, não é. A gente não se aguentou pensa só. Descobrimos da pior forma que éramos peças de um quebra cabeça completamente desproporcional. Eu pequena, você grande de mais. Não conseguimos nos encaixar na vida um do outro. Você me sobrava nas mesmas proporções em que eu te faltava. 
Mudamos, foi só o que eu consegui dizer.
Nos sempre desejamos um ao outro, mais desejávamos o mundo também. E desejo por desejo acabamos sozinhos. Não abrimos mão do resto pra sermos o tão sonhado “nos”.
Eu queria você, sempre quis. Mais o mundo era colorido de mais. A vida é pequena de mais e eu era menor ainda. Me perdi, de você, de mim, de nos. 
Solução? O fim.
Nossas impossibilidades nos levaram a desistir. Por motivos que eu desconheço você me amou, e eu te amei. Mesmo sendo pessoas tão diferentes, conseguimos viver momentos inesquecíveis juntos.
Às vezes eu sinto que o "nos" existiu sim, de uma forma que eu talvez nunca consiga explicar,ainda existe. Mesmo que a gente não se fale, não se veja. Mesmo que você suma, que morra. Vou seguir te amando, porque sei lá, amor não tem explicação, só nasce, cresce, fica... e mesmo que eu não queira vai ficar.
Eu quero te ver bem, e me ver bem também. Não quero você pra mim, não sou tão egoísta.
Nos nunca soubemos ser um, formado de dois, não tivemos vocação para ser um casal.
Eu sei ser eu, e você só sabe ser você. Mais quero te ver bem, repito, quero um dia poder te encontrar por ai, conversar e ate sorrir. Quem sabe te contar das minhas metas e conquistas. Quero continuar me orgulhando de você, como sempre me orgulhei.
A gente foi o mais perto do amor que eu consegui chegar. Mas não conseguimos seguir a mesma estrada, optamos por lados opostos.
Se ainda me restasse escolha voltaria para seu lado, mais não posso, não dá.
Amostra grátis de amor, foi bem isso. Qualidade indiscutível, produto inigualável, mais foi pequeno, foi amostra, acabou.
Sem desespero, sem medo, sem “fim”. Desejo o melhor pra você e pra mim. (Lorena Aguilar)

12 outubro 2012

To indo nessa.


menina indo embora


Quando a gente ta muito feliz, não consegue enxergar quase nada.
Hoje eu vejo quão cegos fomos. Ate o destino conspirava pra que isso não durasse tanto, para que no fim não doesse tanto. E nos que sempre tão incrédulos do destino, ignorávamos todos os sinas e continuávamos, seguíamos rumo a nada.
O nosso "amor" sempre falou mais alto. No nosso caso sempre gritou. Nunca nos deixou pensar, veio mesmo foi para nos enlouquecer.
Paixão, o nome disso é paixão, eu gritei eufórica naquela tarde.
Ta longe de ser amor. Mero costume, carinho talvez, ou no fim pode não ser absolutamente nada.
Você passou horas teorizando seu ponto de vista, e reafirmando a tese de que era o amor mais bonito do mundo. Mais no fundo sempre soubemos que não. E continuarmos cegos poderia ate ser mais propicio, mais não seria a atitude mais inteligente.
Amor que é amor não cabe em teorias, e se fosse amor eu ficaria.
Lagrimas escorrendo em ambos os rostos. Típico de finais não tão felizes, ou despedidas inesperadas.
O silencio tomou conta da sala, e antes que pudéssemos nos arrepender eu conclui:
Isso é DESAMOR, ou desilusão quem sabe.
E para esses crimes sempre haverá uma absolvição.
A gente se abraçou se beijou e finalmente se soltou. Se soltou porque tanto o amor, quanto o desamor não prendem, pelo contrario LIBERTAM.
Amor que é amor permanece. E eu, to indo nessa. (Lorena Aguilar)

AddThis